Planejador financeiro tem ‘poder mobilizador’ para educar clientes e ampliar mercado de precatórios no Brasil

Em entrevista a este Informativo, o gerente da Droom Planner, Valter Police, explica os benefícios para quem vende um precatório, para o investidor em ativos judiciais e o próprio planejador financeiro. Com mais de 15 anos de atuação no mercado, o gerente, que é planejador financeiro certificado, diz que esse profissional pode impactar um número exponencial de clientes, ampliando o mercado de precatórios no país. Para ele, o trabalho da Droom de fornecer ativos com menores tíquetes de entrada tenderá também a popularizar esse tipo de ativo, de forma rápida e consistente.

Que cenários e soluções os planejadores financeiros devem apresentar aos seus clientes para acelerar os seus sonhos, considerando que os precatórios são investimentos alternativos, de baixo risco e alta rentabilidade?

VALTER POLICE: Quando olhamos o processo de planejamento financeiro como uma ferramenta que aproxima os clientes de seus objetivos de vida, observamos que, em muitos casos, possuir no componente de gestão de ativos, que lida com os investimentos, produtos alternativos com essas características, pode aproximar os clientes de suas metas com uma velocidade maior. E, normalmente, com menores riscos, no sentido de incertezas.

Quais são os benefícios para quem vende um precatório, para aquele que investe em ativo judicial e para o próprio planejador financeiro?

VALTER POLICE: Para quem possui o ativo e o vende, a grande vantagem é contar com os recursos já. Muitas vezes as necessidades ou mesmo os desejos não podem esperar, como o estudo de filhos ou netos, questões ligadas à saúde ou mesmo um estilo de vida com mais recursos. Mesmo que receba menos que receberia no futuro, muitas vezes os valores são suficientes para os objetivos e, aí, faz sentido, já que há metas que não podem esperar. Para quem investe, temos a situação oposta: alguém que tem recursos para as necessidades do dia a dia e quer aumentar o retorno médio de sua carteira para os objetivos futuros, muitas vezes antecipando-os, ainda mais com os riscos bem controlados, como é o caso dos ativos judiciais. Evidentemente que esses investidores precisam avaliar se o produto é adequado ao seu perfil como investidor e à composição de sua carteira.

Por fim, para o planejador financeiro que conhece as características desse tipo de ativo, seus potenciais e os riscos intrínsecos, passa a ter uma ferramenta a mais em seu arsenal para mostrar opções de caminhos aos clientes, que os levem de onde estão para onde querem ir, possivelmente de forma mais rápida. Olhando ainda por outro ângulo, o profissional abre também uma nova frente de negócios, com remuneração bastante atraente.

Como avalia o efeito multiplicador dos planejadores financeiros para ampliar o mercado de precatórios no Brasil, tornando esse investimento mais acessível a um público maior? A realização de evento voltado para esses profissionais deve acelerar a expansão desse mercado no país?

VALTER POLICE: O profissional que atua com planejamento financeiro tem um poder mobilizador muito grande, uma vez que conta com a questão mais valiosa em uma relação com clientes: a confiança. Sendo assim, quanto mais esse profissional conhecer sobre soluções financeiras, das mais diversas, incluindo aí os ativos judiciais, mais conseguirá educar seus clientes, mostrando as vantagens e os riscos desse tipo de ativo, mas ampliando o leque de oportunidades na composição de um plano financeiro vencedor.

Com o crescimento do número de profissionais no país e o sucesso crescente dessa atividade, o número de clientes impactados poderá crescer exponencialmente, o que, com o trabalho da Droom de fornecer ativos com menores tíquetes de entrada, tenderá a popularizar esse tipo de ativo, de forma rápida e consistente. Seguramente, uma das melhores formas de mostrar essas novidades aos profissionais é por meio de eventos, como seminários e workshops, nos quais podemos tratar do assunto com toda a profundidade que ele merece, tirando as dúvidas e tratando de todos os importantes detalhes dessas possíveis indicações.

No caso de parceiros que vão ajudar na educação financeira de um público maior no país sobre o investimento em precatórios, como os corretores de seguro, qual seria a atuação desses profissionais?

VALTER POLICE: Os corretores de seguro, em especial aqueles profissionais que atuam com seguros de vida e que têm se desenvolvido profissionalmente de forma acentuada nos últimos anos, acabam naturalmente se tornando planejadores financeiros pessoais, já que expandem sua visão sobre as necessidades dos clientes e suas soluções. Elas abrangem não apenas a gestão de risco, mas o planejamento de aposentadoria, as questões tributárias e sucessórias e também a gestão de ativos, na qual se enquadra a questão dos investimentos. Embora muitos desses profissionais já atuassem com alguns desses temas, que são direta ou indiretamente ligados à questão dos seguros, o aprofundamento nesses temas têm sido muito grande em boa parte dos melhores profissionais do mercado. Para nós, é um prazer e uma honra poder auxiliá-los a avançar ainda mais nesse campo, com ensinamentos, ferramentas e orientações sobre o assunto.

Foi útil pra você? Compartilhe nas redes!